Como posso ajudar uma pessoa com depressão?

Muitas vezes, uma pessoa com depressão não percebe por si só que está com o transtorno, é algo que chega de forma silenciosa. Porém, familiares, amigos e agregados conseguem identificar uma alteração no comportamento da pessoa. Através dos sinais é possível perceber sintomas da depressão e perceber uma mudança de comportamento.

A forma de abordagem é determinante e extremamente importante para ajudar, além de acolher e receber o pedido de ajuda. Mas, o principal é estar junto! Dependendo do comentário, até isso pode atrapalhar, por isso esteja sempre à disposição, ofereça ajuda e escuta.

“Amigos, parentes e agregados podem fazer muito pela pessoa que sofre de depressão, principalmente no início: acompanhá-la em seu sofrimento, não insistir em soluções supostamente simples ou rápidas, estar ao seu lado tentando entender suas vivências e sentimentos, auxiliando-a a tomar decisões e, sobretudo, postergá-las até que melhore o seu estado afetivo… Porque embora a pessoa deprimida se isole, na realidade, ela procura formas de manter a sua relação com os outros e a sua autoestima.”
(OPAS)

O QUE FAZER CASO A PESSOA RECUSE AJUDA?

É possível conviver com alguém e suspeitar que ela esteja com depressão, porém a pessoa pode recusar ajuda, o que é muito comum. É normal, pessoas com depressão dizerem ser somente uma fase, que ela superará tudo sozinha e que vai passar.

Porém, é importante entender o que existe por trás dessa recusa. Por que ela não quer ser ajudada? Existem muitos preconceitos que acompanham a depressão. Então, a melhor forma de abordar é descobrir, entender o motivo que faz a pessoa ter receio e não aceitar ajuda, buscar um psicólogo ou psiquiatra.

Recusas que podem ser ditas: “Eu não quero tomar remédio”, “Eu não quero tomar remédio minha vida inteira”, “Remédio vai me deixar com comportamento lento”, “Não quero ser chamado de louco”, “Não preciso de psicólogo ou psiquiatra”. Existem muito preconceitos e o ideal é questioná-los de forma amigável.

Uma das principais formas de ajudar é tentar encontrar respostas para estes problemas que impedem a pessoa de aceitar ajuda e ter argumentos para desconstruir isso. Ao desconstruir estes preconceitos, que existem de modo geral, conseguimos ajudar.

Entenda o motivo da recusa, o preconceito que ela carrega e o mais importante, ter consciência que: ter depressão não é o fim do mundo, existem diversos tratamentos eficazes comprovados e que trazem qualidade de vida e bem-estar.

O QUE POSSO E NÃO POSSO FAZER?

Saber mais sobre a depressão – Um dos primeiros passos para ajudar alguém com depressão é aprender as causas e os tratamentos deste transtorno mental.

Ser um bom ouvinte – Não se esqueça de que o contato com a família e com os amigos é importante para ajudar quem tem depressão a se recuperar. Diga, claramente, que quer ajudar, ouça os problemas do seu amigo ou familiar sem o julgar. Muitas vezes, ouvir pode ser mais importante do que dar conselhos.

Algumas perguntas que se pode fazer para ajudar alguém com depressão:
• Quando é que começou a se sentir assim?;
• Aconteceu alguma coisa para que se sinta assim agora?

E estas são algumas das coisas que se pode dizer:
• Não está sozinho. Estou aqui ao seu lado;
• Pode não acreditar, mas o que sente vai passar;
• Eu posso não entender exatamente o que está sentindo, mas preocupo-me com você e quero ajudá-lo.

Evite dizer:
• Está tudo na sua cabeça;
• Todos passamos por momentos assim;
• Não posso fazer nada;
• Sua vida é muito boa, valorize-a;
•Pense positivo, você vai sair dessa;
• Você só querer chamar a atenção;
• Devia sentir vergonha por estar assim.

Encoraje a pessoa a procurar um profissional – Assim como não tentaria curar a diabetes do seu parente querido sem a ajuda de um médico, tenha consciência de que a ajuda de um especialista de saúde é importante no processo de recuperação de uma depressão. Ofereça-se para o acompanhar às consultas.

Ofereça ajuda em atividades básicas – Uma pessoa com depressão pode sentir até dificuldade em se vestir ou ir às compras. Mostre-se disponível para ajudar nestas questões mais práticas.

Também o encoraje a fazê-las – Sentir que se é capaz de fazer as coisas pode ser importante. Motive-o a fazer atividade física ou a participar de outras interações sociais.

Mantenha os padrões – Garanta que a pessoa coma e durma de forma regular. Não cumprir as indicações à risca pode fazer com que a medicação não atinja o efeito pretendido. Por outro lado, suspendê-la abruptamente pode provocar o regresso dos sintomas – e estes podem manifestar-se de forma mais intensa.

Leve as ameaças a sério – Se achar que o seu familiar ou amigo pode se machucar (ou se já fez isso), não o deixe sozinho. Esconda objetos com os quais ele ou ela podem se ferir, assim como grandes quantidades de medicamentos.

Cuide de si para conseguir ajudar quem tem depressão – Quando se vive com alguém com depressão, encontrar formas de relaxar ou manter as suas atividades favoritas são essenciais para ultrapassar as suas próprias dúvidas e preocupações. Pode sentir-se egoísta ou culpado, por exemplo, mas é importante que cuide de si.

IMPORTANTE: Em casos mais graves, de depressão severa ou tendências ao suicídio, geralmente é necessário falar com a pessoa de forma mais assertiva e procurar ajuda com urgência. Nestes casos, o principal objetivo é preservar a vida e integridade física da pessoa. É muito importante o envolvimento da família.

O Portal da Depressão é um canal de comunicação para informar e apoiar sobre a depressão, não conseguimos prestar ajuda em situações de urgência.

Caso você necessite de ajuda ou alguém próximo, busque atendimento médico o mais rápido possível.